Autismo e atividade física

O autismo é um distúrbio comum do desenvolvimento caracterizado por dificuldades na fala e nos comportamentos, como falta de habilidades sociais, comportamentos repetitivos, distúrbios da comunicação, distúrbios de atividade e interesse com limitações, ocorrendo principalmente em crianças e adolescentes. Cerca de 1% da população mundial é acometida pelo autismo e percebe-se, assim, que o autismo se tornou um problema de saúde pública que afeta seriamente a saúde de crianças e adolescentes.

Além dos principais sintomas de interação social, comunicação e comportamento estereotipado, as habilidades motoras de pacientes autistas geralmente são atrofiadas. Atualmente, muitas pesquisas sobre a intervenção da atividade física em crianças e adolescentes com autismo têm sido realizadas.

Atividade física refere-se a todos os tipos de ações físicas que consomem energia devido à contração muscular esquelética, incluindo exercício físico, trabalho, trabalho doméstico, entretenimento e outras atividades. No entanto, devido a defeitos sociais e comportamentais, os pacientes autistas geralmente apresentam um declínio no nível de atividade física. Menos oportunidades de atividade física têm maior probabilidade de afetar seu comportamento e causar algumas doenças crônicas, como a obesidade, que é muito comum em pacientes autistas.

A atividade física tem um bom efeito de intervenção em pacientes autistas e melhorando a saúde física e mental desses pacientes melhoram-se, também, os sintomas principais. Alguns estudos demonstraram que, após a intervenção da atividade física, todas as habilidades de interação social, capacidade de comunicação, comportamento estereotipado e habilidades esportivas de crianças e adolescentes com autismo foram aprimorados, o que pode reduzir o grau de autismo. Esses estudos mostram que a atividade física é muito eficaz na intervenção de crianças e adolescentes com autismo.

Embora um grande número de estudos tenha mostrado que a atividade física é eficaz na intervenção de crianças e adolescentes com autismo, os resultados de estudos individuais ainda podem ser incertos devido às grandes diferenças no tamanho da amostra, meios de intervenção, tempo de intervenção, frequência de intervenção e resultados da medição em vários estudos.

Uma meta-análise foi realizada em estudos de intervenção da atividade física em crianças e adolescentes com autismo nos últimos 10 anos para avaliar objetivamente o efeito da intervenção da atividade física na capacidade de interação social, capacidade de comunicação, comportamento estereotipado, habilidades esportivas e grau de autismo de crianças e adolescentes com autismo, de modo a fornecer a base para a aplicação clínica da intervenção de atividade física na operação de crianças e adolescentes com autismo.

Para ler o artigo “Meta-Analysis on Intervention Effects of Physical Activities on Children and Adolescents with Autism” completo, clique aqui.

Gostou desse artigo? Compartilhe, comente!

WhatsApp do 15CCEF
Enviar